Gastroenterologista do Cliom responde dúvidas sobre a intolerância à lactose

September 6, 2018

 

A intolerância à lactose é a incapacidade que o corpo humano tem de digerir a lactose, que é um tipo de açúcar encontrado no leite e em outros produtos lácteos. Nas ruas, sempre ouvimos falar sobre esse assunto, que sempre traz dúvidas. Por isso, o Dr. Lucas Gama, que é gastroenterologista do Cliom respondeu todas as perguntas.

 

Segundo o médico, existem três tipos de intolerância. “Intolerância à lactose primária, resultado do envelhecimento, que é mais comum em pessoas de idade mais avançada. Intolerância à lactose secundária, resultado de alguma doença ou inflamação no intestino. E temos a intolerância à lactose congênita, quando a pessoa já nasceu com o problema, o que é muito raro”, explicou.

 

A causa da intolerância acontece quando o intestino delgado deixa de produzir uma quantidade necessária de enzimas lactase, cuja a função é quebrar moléculas de lactose e convertê-las em glicose e galactose. A presença da lactose no organismo, acontece após a ingestão de leite e seus derivados.

 

Para Dr. Lucas, existem alguns fatores de risco para a intolerância à lactose. “Uma delas é a idade, já que os anos vão passando, a chance de se desenvolver intolerância à lactose aumenta. Outra é a etnia, porque a intolerância é mais comum em negros, asiáticos, hispânicos e indígenas. O nascimento prematuro também é um fator, porque bebês nascidos prematuramente apresentam menos lactase no organismo e essa enzima aumento somente no final da gravidez. E as doenças que afetam o intestino delgado, que podem alterar a produção da enzima lactase, levando à intolerância, como doença de Crohn”, expôs.

 

Os sintomas da intolerância podem ser:

 

- Diarreia, que é o mais comum ou constipação

- Náuseas e, às vezes, vômito

- Dor ou desconforto abdominal

- Sensação de inchaço

 

A intensidade dos sintomas varia de acordo com cada paciente, a quantidade e a circunstância com que a lactose é ingerida. Para descobrir se o paciente possui intolerância à lactose, o médico deverá solicitar exames específicos que comprovam o diagnóstico.

 

De acordo com Dr. Lucas, ainda não existem tratamento para a intolerância, no entanto, pode-se acionar a enzimas lactase ao leite normal ou toma-las em forma de cápsulas e comprimidos mastigáveis. O médico deverá orientar qual é a melhor maneira de a enzima ser utilizada.

 

“Geralmente, a diminuição e remoção de produtos lácteos da dieta melhora os sintomas da intolerância. A maioria das pessoas com baixos níveis de lactase pode tolerar de 55 a 115 gramas de

leite de uma só vez (até meia xícara) sem ter sintomas. Porções maiores (225 gramas)

podem causar problemas para pessoas com deficiência de lactase”, informou o médico.

 

Alguns produtos lácteos podem ser mais fáceis de digerir por conterem menos lactose

do que o leite comum. No entanto, eles devem ser experimentados com cautela, já que

podem causar reações ainda assim. Veja alguns deles:

 

- Manteiga e queijos (eles têm menos lactose do que o leite).

- Produtos lácteos fermentados, como iogurte).

- Leite de cabra (deve ser ingerido juntamente com as refeições e suplementado

com aminoácidos essenciais e vitaminas se for oferecido a crianças).

- Sorvete, milk-shakes e queijos envelhecidos ou duros.

- Leite e produtos lácteos sem lactose.

- Leite de vaca tratado com lactase para crianças maiores e adultos.

- Fórmulas de soja para crianças com menos de dois anos.

 

Dr. Lucas ainda alerta que a ausência de leite na dieta pode levar à deficiência de cálcio, vitamina D, riboflavina e também de proteína. Por isso, é interessante que o paciente seja acompanhado pelo médico, a fim de que este seja tratado da melhor maneira possível.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square