#Artigo Terapias alternativas no câncer: não perguntar e não contar?

May 28, 2019

De acordo com uma pesquisa americana, quase um em cada três pacientes com câncer ou sobreviventes de câncer nos EUA usa medicamentos complementares ou alternativos. E entre eles, três em cada dez não pensam que seu médico deve ser informado.

 

“CAMs, definidas como terapias usadas em adição ou em vez de terapias convencionais, respectivamente, são freqüentemente usadas nos Estados Unidos por pacientes com câncer e sobreviventes de câncer; no entanto, existe a preocupação de que esses indivíduos não revelem o uso da CAM a seus médicos ”, disse Nina Sanford, da Universidade do Texas Southwestern, Dallas, primeira autora de uma carta de pesquisa recém publicada na JAMA Oncology. 

 

Dados os efeitos adversos potencialmente graves desses medicamentos em pacientes com câncer, os pesquisadores decidiram analisar dados do National Health Interview Survey (NHIS), onde uma série de indicadores de saúde para adultos civis não institucionalizados são coletados anualmente.

 

“Em 2012, o NHIS incluiu um suplemento sobre CAMs”, explicam os autores. A análise dos dados do estudo mostrou que entre os participantes que relataram uma história de câncer (n = 3.118), exatamente um de três (n = 1.023) usou CAMs nos 12 meses anteriores, mais comumente suplementos de ervas (35,8%), seguidos de quiropraxia ou manipulações osteopáticas (25,4%), massagem (14,1%); yoga / tai chi / qigong (7,6%), mantra / mindfulness / meditação espiritual (6,9%), dietas especiais (2,9%) e acupuntura (2,0%).


O que mais preocupou os autores é que 288 - 29,3% - pacientes com câncer usando CAMs não falaram sobre isso com seu médico.

 

O que há por trás dessa tendência? Muitos pacientes relataram que a não divulgação ocorreu devido ao fato de o clínico não ter perguntado sobre CAMs (57,4%) ou que não achavam que seus médicos precisavam saber (47,4%). Apenas 8,5% sentiram que o médico não sabia tanto sobre o tratamento, enquanto 3,9% expressaram preocupação com uma possível reação negativa.

 

 “Pesquisas adicionais são necessárias para avaliar os resultados de saúde, a qualidade de vida e as implicações de custo associadas ao uso de CAM na população de pacientes oncológicos”, escreveram Sanford e colegas. “As implicações potenciais do uso da CAM nos resultados oncológicos merecem um estudo mais aprofundado, e políticas e diretrizes devem ser estabelecidas para encorajar a discussão da CAM”, concluíram.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags